Dicas

Quer se sentir melhor e ter mais qualidade de vida?
É só navegar pelas nossas dicas.

Voltar

Glúten: Quem precisa restringir o consumo?

Segunda-feira | 23.06.2014 | à 10:45


Glúten é uma proteína encontrada naturalmente em alguns cereais, como o trigo, o centeio, a cevada e a aveia, sendo responsável pela elasticidade e crescimento de pães e massas. Como toda proteína, é fundamental para o crescimento e desenvolvimento de tecidos, principalmente os músculos.

No entanto, algumas pessoas podem desenvolver a doença celíaca, uma doença autoimune desencadeada pelo glúten, caracterizada pela inflamação crônica da mucosa do intestino delgado, que pode resultar em má absorção de nutrientes devido à atrofia das vilosidades intestinais. A doença atinge cerca de 1 a 2% da população e o diagnóstico pode ser feito através de exames de sangue e biópsia do intestino delgado. O tratamento consiste na retirada do glúten da dieta, o que alivia os sintomas (diarreia acompanhadas de dor, desconforto abdominal, alergias na pele) e favorece a regeneração da mucosa intestinal.

Contudo, para indivíduos que não possuem a doença, não existem evidencias cientificas que justifiquem que a restrição ao glúten traga benefícios à saúde e, por isso, essa prática não é recomendada por profissionais de saúde, uma vez que muitos alimentos que contém glúten também são ricos em carboidratos, nossa principal fonte de energia. Assim, antes de retirar um nutriente do cardápio, procure sempre um especialista para uma orientação individualizada.

Referências
Conselho Regional de Nutrição - CRN3. Restrição ao consumo de glúten. Parecer CRN-3, 2011.
Gama e Silva TS, Furlanetto TW. Diagnóstico de doença celíaca em adultos. Rev Assoc Med Bras, 2010; 56(1):122-6.


Glúten: Quem precisa restringir o consumo?

Glúten é uma proteína encontrada naturalmente em alguns cereais, como o trigo, o centeio, a cevada e a aveia, sendo responsável pela elasticidade e crescimento de pães e massas. Como toda proteína, é fundamental para o crescimento e desenvolvimento de tecidos, principalmente os músculos.

No entanto, algumas pessoas podem desenvolver a doença celíaca, uma doença autoimune desencadeada pelo glúten, caracterizada pela inflamação crônica da mucosa do intestino delgado, que pode resultar em má absorção de nutrientes devido à atrofia das vilosidades intestinais. A doença atinge cerca de 1 a 2% da população e o diagnóstico pode ser feito através de exames de sangue e biópsia do intestino delgado. O tratamento consiste na retirada do glúten da dieta, o que alivia os sintomas (diarreia acompanhadas de dor, desconforto abdominal, alergias na pele) e favorece a regeneração da mucosa intestinal.

Contudo, para indivíduos que não possuem a doença, não existem evidencias cientificas que justifiquem que a restrição ao glúten traga benefícios à saúde e, por isso, essa prática não é recomendada por profissionais de saúde, uma vez que muitos alimentos que contém glúten também são ricos em carboidratos, nossa principal fonte de energia. Assim, antes de retirar um nutriente do cardápio, procure sempre um especialista para uma orientação individualizada.

Referências
Conselho Regional de Nutrição - CRN3. Restrição ao consumo de glúten. Parecer CRN-3, 2011.
Gama e Silva TS, Furlanetto TW. Diagnóstico de doença celíaca em adultos. Rev Assoc Med Bras, 2010; 56(1):122-6.


Segunda-feira | 23.06.2014 | à 10:45